NÃO TE METAS NA VIDA ALHEIA SE NÃO QUERES LÁ FICAR

 
Photobucket
[Billie Jean]


OLD SCHOOL ELECTRO FUNK PARTY ROCKING BEATS

"capazes de pôr meninas coquetes a chocalhar os ombros desnudos"






be kind and rewind
porque
comigo vai tudo azul




 
MICROPOEMAS







Mais? Aqui!



 

Mauro vive em prisão domiciliária.
As tatuagens ajudam-no a queimar o tempo.
Três putos do bairro aproximam-se da sua janela.
Lá fora, o sol bate com a força do meio-dia.

Ficção, Portugal , 2009, 15′, 35mm
Argumento: João Salaviza
Fotografia: Vasco Viana
Som: Inês Clemente
Montagem: João Salaviza
Com: Carloto Cotta, Rodrigo Madeira
Produtor: François d’Artemare, Maria João Mayer
Produção: Filmes do Tejo

Palma de Ouro



 
One cannot think well, love well, sleep well, if one has not dined well.

Virginia Woolf

PhotobucketPhotobucketPhotobucket



Para viver um grande amor, preciso é muita concentração e muito siso, muita seriedade e pouco riso — para viver um grande amor.


Para viver um grande amor, mister é ser um homem de uma só mulher; pois ser de muitas, poxa! é de colher... — não tem nenhum valor.

Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro — seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, vos digo, é preciso atenção como o "velho amigo", que porque é só vos quer sempre consigo para iludir o grande amor. É preciso muitíssimo cuidado com quem quer que não esteja apaixonado, pois quem não está, está sempre preparado pra chatear o grande amor.

Para viver um amor, na realidade, há que compenetrar-se da verdade de que não existe amor sem fidelidade — para viver um grande amor. Pois quem trai seu amor por vanidade é um desconhecedor da liberdade, dessa imensa, indizível liberdade que traz um só amor.

Para viver um grande amor, il faut além de fiel, ser bem conhecedor de arte culinária e de judô — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor perfeito, não basta ser apenas bom sujeito; é preciso também ter muito peito — peito de remador. É preciso olhar sempre a bem-amada como a sua primeira namorada e sua viúva também, amortalhada no seu finado amor.

É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista — muito mais, muito mais que na modista! — para aprazer ao grande amor. Pois do que o grande amor quer saber mesmo, é de amor, é de amor, de amor a esmo; depois, um tutuzinho com torresmo conta ponto a favor...

Conta ponto saber fazer coisinhas: ovos mexidos, camarões, sopinhas, molhos, strogonoffs — comidinhas para depois do amor. E o que há de melhor que ir pra cozinha e preparar com amor uma galinha com uma rica e gostosa farofinha, para o seu grande amor?

Para viver um grande amor é muito, muito importante viver sempre junto e até ser, se possível, um só defunto — pra não morrer de dor. É preciso um cuidado permanente não só com o corpo mas também com a mente, pois qualquer "baixo" seu, a amada sente — e esfria um pouco o amor. Há que ser bem cortês sem cortesia; doce e conciliador sem covardia; saber ganhar dinheiro com poesia — para viver um grande amor.

É preciso saber tomar uísque (com o mau bebedor nunca se arrisque!) e ser impermeável ao diz-que-diz-que — que não quer nada com o amor.

Mas tudo isso não adianta nada, se nesta selva escura e desvairada não se souber achar a bem-amada — para viver um grande amor.


Vinicius de Moraes


[Daniel Spoerri]



 
E ao acabar estes versos

Feitos em modo menor

Cumpre prestar homenagem

À bebedeira do cantor.





Compreender um ao outro

É um jogo complicado,

Pois quem engana não sabe

Se não estava enganado.





Fica o coração pesado

Com o choro que chorei.

É um ficar engraçado

O ficar com o que dei...





Quando vieste da festa,

Vinhas cansada e contente.

A minha pergunta é esta:

Foi da festa ou foi da gente?





Leve vem a onda leve

Que se estende a adormecer,

Breve vem a onda breve

Que nos ensina a esquecer.



Há um doido na nossa voz

Ao falarmos, que prendemos:

É o mal-estar entre nós

Que vem de nos percebermos.




Água que passa e canta

É água que faz dormir...

Sonhar é coisa que encanta,

Pensar é já não sentir.







À roda dos dedos juntos

Enrolaste a fita a rir.

Corações não são assuntos

E falar não é sentir.





Lá por olhar para ti

Não julgues que é por gostar.

Eu gosto muito do sol,

E nem o posso fitar.






Há grandes sombras na horta

Quando a amiga lá vai ter...

Ser feliz é o que importa,

Não importa como o ser!






Mas que grande disparate

É o que penso e o que sinto.

Meu coração bate, bate

E se sonho muito, minto.






Não digas mal de ninguém,

Que é de ti que dizes mal.

Quando dizes mal de alguém

Tudo no mundo é igual.





Ai, os pratos de arroz-doce

Com as linhas de canela!

Ai a mão branca que os trouxe!

Ai essa mão ser a dela!





A abanar o fogareiro

Ela corou do calor.

Ah, quem a fará corar

De um outro modo melhor!





A laranja que escolheste

Não era a melhor que havia.

Também o amor que me deste

Qualquer outra mo daria.





A tua saia, que é curta,

Deixa-te a perna a mostrar:

Meu coração já se furta

A sentir sem eu pensar.





Photobucket

A vida é pouco aos bocados.

O amor é vida a sonhar.

Olho para ambos os lados

E ninguém me vem falar.






Aquela que mora ali

E que ali está à janela

Se um dia morar aqui

Se calhar não será ela.





Comes melão às dentadas

Porque assim não deve ser.

Não sei se essas gargalhadas

Me fazem rir ou sofrer.





(carrega na imagem!)

Boca de romã perfeita

Quando a abres p’ra comer,

Que feitiço é que me espreita

Quando ris só de me ver?





Boca que tens um sorriso

Como se fosse um florir,

Teus olhos cheios de riso

Dão-me um orvalho de rir.





Chamam-te boa, e o sentido

Não é bem o que eu supunha.

Boa não é apelido:

É, quando muito, alcunha.





Photobucket

Dias são dias, e noites

Dias são dias, e noites

São noites e não dormi...

Os dias a não te ver

As noites pensando em ti.





Bailaste de noite ao som

De uma música estragada.

Bailar assim só é bom

Quando a alegria é de nada.





Disseste-me quase rindo:

«Conheço-te muito bem!»

Dito por quem me não quer,

Tem muita graça, não tem?





Dei-lhe um beijo ao pé da boca

Por a boca se esquivar.

A ideia talvez foi louca,

O mal foi não acertar.






Eu tenho um colar de pérolas

Enfiado para te dar:

As pérolas são os meus beijos,

O fio é o meu penar.





Na praia de Monte Gordo,

Meu amor, te conheci.

Por ter estado em Monte Gordo

É que assim emagreci.





As ondas que a maré conta

Ninguém as pode contar.

Se, ao passar, ninguém te aponta,

Aponta-te com o olhar.





[Fernando Pessoa]




 








 
Photobucket




Photobucket





Photobucket

[Fred Camper]

mais AQUI



 
Photobucket




Teclei "Jamiroquai",
plim! o 1º nome que me lembrei, AQUI e o resultado foi...HAHAHAHAH! Experimenta!

 

[David Ostrem]



Arquivos

Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Junho 2010  

  • ANNE MARTEL
  • ASI SE FUNDO CARNABY STREET
  • BACK2MINE
  • BARBARELLA
  • BEBOPALULA
  • BOB
  • BOOOOOOOM!
  • BORED AND BEAUTIFUL
  • COMPUTERLOVE
  • CORE77
  • DE TROLHA A ENGENHEIRO
  • DESASSOSSEGADA
  • DOMINGOS DA BOLA
  • DRESSLAB
  • ELVIRA'S BISTROT
  • EXTRAPOLAÇÃO DIFUSA
  • FABRICA
  • FFFFOUND
  • HEDI SLIMANE DIARY
  • I HEART PHOTOGRAPH
  • IF CHARLIE PARKER WAS A GUNSLINGER THERE'D BE A WHOLE LOT OF DEAD COPYCATS
  • JOSEPH GHOSN
  • KABAKUBA
  • KEYTARS AND VIOLINS
  • LE DIVAN FUMOIR BOHÉMIEN
  • LOOPABLE
  • MALMEQUER COR-DE-ROSA
  • MAPA
  • MASALA CHAI
  • MASSA À FRED!
  • MASSI
  • MONOSCOPE
  • MOTEL DE MOKA
  • MY MARRAKESH
  • NOTHING SPECIAL
  • O MEU OUTRO EU ESTÁ A DANÇAR
  • OH MY GOD THATS THE FUNKY SHIT
  • ON HOW I FOUGHT IN THE EASTER RISING
  • OS PRISIONEIROS DA PARTE-DE-TRÁS
  • PINGMAG
  • POST A SECRET
  • PIPOCAS COM SAL
  • ROB
  • SETE DIAS
  • TEE SHIRT BLOG
  • THE LION
  • THE NONIST
  • THE OLIVE BRANCH
  • THE SARTORIALIST
  • THINGS MAGAZINE
  • TREMOÇOS MARGINAIS
  • VONTADE INDÓMITA
  • WHOWHATWEARDAILY
  • WORDS WITHOUT PICTURES
  • WRONG DISTANCE
  • YAY! MONDAY!
  • 1000 JOURNALS
  • ADBUSTERS
  • BEST OF WHAT'S NEW
  • COLLAGE MACHINE
  • COOL HUNTING
  • CRYSTALPUNK
  • FOTODECADENT
  • GOD WENT SURFING WITH THE DEVIL
  • GOOD MAGAZINE
  • GOOGLE EMOTIONAL INDEX
  • GROOVE COLLECTOR
  • HEAVY BACKPACK
  • IT'S NICE THAT
  • JOHN MAGAZINE
  • JPEGMESS
  • JULIE DOUCET
  • KATHY IS YOUR FRIEND
  • KCTV
  • LINA SCHEYNIUS
  • MAGNUM
  • MAGS
  • MUXTAPE
  • NACHO ALEGRE
  • NEET MAGAZINE
  • NEW RAFAEL
  • NO LOGO
  • NUKE MAGAZINE
  • PURPOSE
  • SLEEK MAGAZINE
  • POLAR INERTIA JOURNAL
  • SISLEY
  • SOUL SIDES
  • STUDIO REPORT
  • THE JOURNAL
  • THE SKULLSET
  • THE WIRE
  • TINY VICES
  • TOMMORROW MUSEUM
  • TV MUSIC
  • VINTAGE
  • VISIONAIRE
  • YOMANGO